Situação desumana: Lavrador de Carlópolis posta vídeo de irmã com paralisia cerebral requerendo atendimento


O lavrador Elidio Garcia Neto, de Carlópolis, postou um vídeo nas redes sociais na quinta-feira (20) onde aparece sua irmã Tania Rodrigues Garcia em uma cama em cena chocante, com feridas abertas numa situação agonizante. Na gravação, Elídio relata suposta negligência por parte da Secretaria da Saúde Municipal no atendimento domiciliar e também a falta de veículos adaptados na APAE. A paciente está de bruços, com problemas ósseos, apresentando escaras graves situadas nas nádegas. O lavrador fala no vídeo: “Eles jogam a responsabilidade tudo pra nós(sic). Não vieram um dia fazer curativo na menina. Isso daqui! Se ela tá desse jeito aqui é por que muitos anos indo na Apae em carro irregular, não tendo uma cadeira, tá sendo tratada como um bicho,entendeu (sic)? Olha o sofrimento dessa "criança", é justo isso? Acha justo um ser humano passar por isso aqui? Essa aqui é a cidade de Carlópolis. Se você tiver uma criança especial e vim morar nessa m* dessa cidade aqui, a sua criança vai ficar desse jeito aqui(sic)”. O lavrador faz outras denúncias no vídeo como omissão de socorro da mãe, já falecida e transporte irregular da paciente há algum tempo.
A princípio, a paciente parece ser uma criança devido a estatura e baixo peso, mas tem 34 anos. O vídeo tem 2’47” e chocou as redes sociais porque mostra uma mulher deitada com deformações e com grandes escaras.
Tania tem paralisia cerebral desde quando nasceu, nunca andou ou falou. Vive em cima de uma cama. Até 2019 morava com a mãe, Bela Rodrigues Garcia,que faleceu. Desde então, mora com o irmão Elidio e a cunhada Ester. O casal denuncia ainda, que a mãe de Tania morreu por suposta negligência médica, conforme boletim de ocorrência feito na época. A família não entrou com qualquer ação judicial até o momento.
Ester Leal da Silva, que atendeu a reportagem, deixou claro que não tem nada contra qualquer funcionário público e nem político. Relata que a família chegou em Carlópolis em 2006, procurando uma vida mais tranquila, mas que atualmente, se precisar tomar soro, só encontrará no hospital local. Diz ainda que pacientes não têm alimentação adequada: “Se for ficar lá (hospital), nem bolacha de água e sal para o paciente e acompanhante tem”, desabafa.
Outra denúncia grave, segundo Ester, é de que a família foi orientada a fazer os curativos complexos na paciente, na própria casa. “Fomos orientados a cortar a pele morta das escaras de Tania”.
A reportagem entrou em contato com Patrícia Perez de Campos, enfermeira no Estado de SP, sobre o procedimento. A profissional da Saúde ficou assustada com o depoimento e declarou que somente um médico pode fazer o procedimento que é denominado desbritamento, que é o ato de remoção de material necrótico (pele morta), importante no gerenciamento da ferida.
A família de Tania requer atendimento domiciliar, transporte adequado para fisioterapia e kits para assepsia e curativos simples. A família aceita também qualquer tipo de doação, seja de alimentos, ventiladores, roupas de cama e de banho, fraldas tamanho M para Tania. O casal possui quatro filhos menores, com idades de 11, 7, 1 ano e três meses e um bebê de 8 meses. Brinquedos são bem vindos, fraldas descartáveis para o bebê (M), produtos de higiene pessoal, álcool em gel, máscaras descartáveis, material escolar e roupas. 
 
 

O outro lado

A reportagem do JRDIARIO entrou em contato com a Secretária Municipal da Saúde Vivian Mariano da Silva Cuenco e o Diretor do Pronto Atendimento Moisés Custódio Alves. Pelo Whatsapp informaram que: “A Saúde está à inteira disposição para resolver casos assim. Nós nunca negamos dar atenção e atendimento, ainda mais para pacientes especiais como é o caso da Tânia. Vamos estar apurando tudo o que houve e com certeza absoluta vamos identificar onde houve a falha que a deixou com aquelas escaras”, relataram.
Ao ser questionada sobre os poderes para resolver essa situação, a secretária Vivian descreveu que desde o momento da publicação do vídeo, imediatamente entrou em contato com o PSF3 solicitando o relatório de visitas da família.
A Secretária Vivan justificou que nas últimas duas semanas houve elevação nos casos de síndrome respiratória e Covid no município, onde houve deslocamento das equipes de saúde para atendimento de maneira revezada, além de muitos funcionários da Saúde estarem contaminados com a Covid.
Doações
Quem quiser fazer doações para a família de Tania, pode levar diretamente na residência localizada no CTG de Carlópolis, ou entrar em contato com a redação JRDiario no celular (43) 99989-0664.
 

Fonte: Reportagem: Simone Chiusoli. Foto: Facebook - Postado em 23/01/2022



Copyright 2022 - Todos os Direitos reservados